Hoje, quebrando todas as "regras", eu vim aqui - invadindo a praia de Lara - falar sobre série!
Como vocês já devem ter percebido o Crônica é um espaço livre e o interesse aqui é falar de forma aberta e sincera sobre diversos temas, dessa forma serei o mais imparcial que conseguir ressaltando os pontos fracos e fortes do meu novo vício: a série Orange is the New Black (por isso a brincadeira do título).


Fonte da imagem aqui.
Sinopse:

A série se desenvolve ao redor da história de Piper Chapman (Taylor Schilling), que mora em Nova York e é condenada a cumprir 15 meses numa prisão feminina federal por ter participado do transporte de uma mala de dinheiro proveniente do tráfico de drogas a pedido da sua ex-namorada, Alex Vause (Laura Prepon), que é peça importante num cartel internacional de drogas. O delito ocorreu dez anos antes do início da série e, no decorrer desse período, Piper seguiu sua vida tranquila entre a classe média-alta de New York, ficando noiva de Larry Bloom (Jason Biggs). Quando presa, Piper reencontra Alex, elas reanalisam seu relacionamento e lidam com suas companheiras de prisão.


Despertou curiosidade?
Confesso que a sinopse não me conquistou muito e de início não iria assistir por não ter sido indicada por ninguém. Mas se não foi indicada por ninguém e a sinopse não me agradou, por que "cargas d'água" resolvi assistir?

Respondo: Uma das atrizes principais, a Laura Prepon!
Em uma de minhas andanças pelo Instagram encontrei o perfil da atriz e ao passear pelas publicações vi fotos dela e das colegas de série. Foi o suficiente! O clima entre elas era de tanta descontração que resolvi assistir à série pra passar o tempo quando estava sozinha em casa. O primeiro episódio me prendeu muito, ao ponto de eu querer assistir, imediatamente, ao segundo e assim aconteceu com os seguintes, no sétimo episódio eu não conseguia mais parar, fiquei até 1 da manhã pra terminar a temporada ainda no primeiro dia... Agora ficou curioso(a)?


Como a sinopse conta a série narra a história da Piper, que é condenada a cumprir 15 meses de detenção por participar do esquema de drogas da então namorada Alex Vause, só que ela só é denunciada 10 anos depois do acontecido (detalhe: 2 anos antes do crime prescrever. Que azar, hein?) e no momento em que a série começa ela está noiva de Larry. Eles decidem que ela cumprirá sua sua pena e logo depois de cumprida a pena eles retomam o noivado e se casam. Tudo isso muda, é claro, quando ela encontra a ex namorada e percebe que ainda não superou o fim do relacionamento.


Coisas de Piper!

A série seria bem simples e curtinha se a Piper não passasse a cometer várias outras infrações e se envolver, de várias maneiras, com as outras detentas. Sim, isso lhe rende mais punições (solitária, acréscimo na pena...) e em meio a todas essas novidades ela e Alex vivem uma relação de amor e ódio (mais amor do que ódio). Tudo isso é também "pano de fundo" pra mostrar a história das outras detentas que CREIAM nos conquistam tanto quando a Alex e a Pipes. Nunca assisti uma série onde me apeguei a todos os personagens como aconteceu com Orange e acho que esse foi um dos motivos de eu ter assistido as 3 temporadas (de 13 episódios cada com quase uma hora cada episódio e duas horas nas season finale na segunda e terceira temporada) em 5 dias enquanto vivia -ou tentava- normalmente.


O principal ponto forte da série, na minha opinião, é com certeza o elenco, não é à toa que quem assiste a série tem dificuldades em aceitar que os atores têm vida real [Mas continuem tentando amiguinhos, continuem tentando! ahahahaha]. Os episódios também sempre terminam de maneira que você se promete o famoso "só mais um..." várias vezes. Outra surpresa boa foi a atuação da atriz Natasha Lyonne, que interpreta a Nicky Nichols uma ex(?) viciada em drogas: atuação perfeita, mesmo! Orange também tem essa característica: consegue contar as várias histórias da outras detentas sem que a série se perca do círculo principal de atores, o que dá também bastante dinamicidade à narrativa. O único ponto fraco que encontrei realmente foram algumas características "clichêzonas" das típicas mocinhas (a insegurança e o complexo de "ai meu Deus, não sei quem realmente amo"), presentes na Piper, e isso as vezes nos dá vontade de estapear aquela mulher.


"Porra, Piper!"

Tudo isso, é claro, nem de longe nos faz desistir de assistir à série e talvez esses argumentos não cheguem nem perto de lhe convencer a assistí-la, mas se funcionar pode ter certeza de que vai acabar como eu; declarando aos quatro ventos que Laranja é o seu novo vício!



Fonte da imagem aqui.



6 Comentários

  1. Universalmente laranja é o novo vício! Até aderi a cor no meu guarda roupas kkkk
    São tanto fatores que nos atraem na série, os dramas que as mulheres vivem, desde os mais simples como a aparência até os mais complexos como a perda da liberdade. É tão feminista não é mesmo? de um jeito que nem os mais machistas poderiam prever. E as cenas cômicas?! Como passar um episódio inteiro sem rir? Em contrapartida como não se emocionar ao descobrir os motivos que colocaram essas mulheres lá, como não ter empatia por muitas delas?
    Eu dei um "tempo", parei no meio da terceira, mas não desisti, estou apenas protelando para não esperar ansiosamente pela 4°. Acredita que eu até consegui fazer meu mô assisti? Vez ou outra pego ele cantando a música de abertura, ai os dois cantam juntos!
    Se eu já não tivesse viciada seu post com certeza faria isso.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahahahahahaha, não é?
      #ModaLitchfield

      Talvez uma das coisas que mais conquiste na série seja tratar desses temas tabus sem mostrá-los como tabus e sim como coisas normais. Dei muuuuuuuita risada assistindo, muita mesmo! Principalmente com a Nicky Nichols (que aliás, foi uma das personagens que eu mais me apeguei...)
      O fato de contar também as histórias das outras personagens desenvolve na gente um apego sem igual.

      Infelizmente não consegui parar que nem você, tenho esse problema quando estou viciada, ahahahaha.
      Essa eu estou assistindo sozinha e sem ter com quem comentar, Lara e Eduardo que são quem sempre comentam as séries comigo não estão assistindo :C
      Vou compartilhar minhas opiniões por aqui.

      Então você não pode me culpar, viu? :D

      Excluir
  2. É verdade, nem percebemos que aquilo se trata de um assunto polêmico, porque está sendo tratado muito normalmente.
    aaah a Nick, tenho uma amizade extremamente íntima por ela. Quem diria que uma mulher que passou por tantos coisas é incapaz de fazer mimimi não conhece ela! Se bem que eu gostaria de uma Red para chamar de amiga, mulherzinha barra pesada!
    Precisa comentar sozinha não, eu estou aqui \o/
    Vamos nos acabar de falar sobre OTNB

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahahahahaha, uma amiga como a Red vale ouro mesmo fora de Litchfield...
      Além de mãezona ainda é ótima cozinheira :P

      Aêêêê \o/

      Excluir
  3. Alex me ame como a Pipper! HSIUAHUSIHAUISH
    Falam que pareço a Day O_O MAS NAO SEI COMOOOOO IN DA HELL <3
    'Tamo junto no vicio, colega!
    A Bela, não a Fera está passando por reforma, enquanto isso acesse
    | YOUTUBE |
    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahahahah, já pensou?
      Fui te "stalkear" e: não será por causa da mecha? :D
      Pelo menos não estou sofrendo sozinha nesse hiatus, ahahahahaha.

      Volte sempre, beijo!

      Excluir

Ao final do comentário deixe o seu link, se tiver, teremos o maior prazer em retribuir a visita e o carinho ❤
Se você nao tem uma conta no Google, pode comentar usando "Nome/URL".
P.S. Comentários genéricos não serão retribuídos.