Olá leitores sem eira, tudo tranquilo com vocês?

Hoje eu vim aqui falar sobre um livro que acabei de ler e me deixou com uma daquelas "ressacas literárias", sabem com é?
Normalmente isso acontece comigo quando o livro é muito bom e eu sigo a vida incapaz de começar outra leitura imediatamente, tentando - normalmente em vão - entender como as reviravoltas do livro aconteceram. Com esse livro a ressaca foi diferente, e eu vou falar disso lá na frente, tá?

O livro da resenha de hoje será o item número 8 do nosso Desafio Literário: Um livro que foi adaptado para filme, e o livro escolhido foi o Uma Carta de Amor, do meu queridíssimo Nicholas Sparks. Vamos lá?

Sinopse:

Há três anos, a colunista Theresa Osborne se divorciou do marido após ter sido traída por ele. Desde então, não acredita no amor e não se envolveu seriamente com ninguém. Convencida pela chefe de que precisa de um tempo para si, resolve passar férias em Cape Cod. Durante a semana de folga, depois de terminar sua corrida matinal na praia, Theresa encontra uma garrafa arrolhada com uma folha de papel enrolada dentro. Ao abri-la, descobre uma mensagem que começa assim: “Minha adorada Catherine, sinto a sua falta, querida, como sempre, mas hoje está sendo especialmente difícil porque o oceano tem cantado para mim, e a canção é a da nossa vida juntos.” Comovida pelo texto apaixonado, Theresa decide encontrar seu misterioso autor, que assina apenas “Garrett”. Após uma incansável busca, durante a qual descobre novas cartas que mexem cada vez mais com seus sentimentos, Theresa vai procurá-lo em uma cidade litorânea da Carolina do Norte. Quando o conhece, ela descobre que há três anos Garrett chora por seu amor perdido, mas também percebe que ele pode estar pronto para se entregar a uma nova história. E, para sua própria surpresa, ela também. Unidos pelo acaso, Theresa e Garrett estão prestes a viver uma história comovente que reflete nossa profunda esperança de encontrar alguém e sermos felizes para sempre.

O livro conta a história de Theresa e Garrett, alternando os pontos de vista dos dois e sendo narrada por uma terceira pessoa, onisciente. O fato de apresentar a perspectiva de ambos (a história de Garrett, no entanto, só começa a ser mostrada quando ele e Theresa se conhecem) dificulta a identificação do leitor com um dos dois e torna a leitura em alguns pontos confusa, mas nada que o leitor não resolva com um pouco mais de atenção ao ler.

A grande "problemática" do livro (que é, na realidade, toda a questão do romance) começa quando Theresa decide procurar por Garrett depois de encontrar, receber de leitores de sua coluna no jornal e pesquisar em outros locais cinco cartas que ele teria jogado ao mar e que falavam sobre seu grande amor pela esposa Catherine. Depois de um divórcio traumatizante e uma infinidade de pretendentes que não correspondem à expectativa Theresa vê suas esperanças no amor se renovarem após testemunhar, através das correspondências, um amor tão profundo e marcante. Apesar de receosa por ser, de acordo com o que muitos denominam, uma "mulher madura" e com um filho - o Kevin é fofo, gente! - ela decide ir atrás desse homem para ver como ele é e começa assim a história de amor dos dois, narrada de maneira previsível e clichê.

O que mais dificultou a leitura do livro, no entanto, não foram seus aspectos previsíveis ou a frequente mudança dos pontos de vista mas foi, sem dúvidas, o seu ritmo arrastado; a leitura é extremamente lenta e, por vezes, massante. Confesso que se já não conhecesse muito bem a escrita do tio Sparks, provavelmente, nunca mais encostaria em um livro dele. 
Aviso importante, então: Não comece a acompanhar as obras do autor por esse livro!

É comum que enquanto eu esteja lendo algum livro de Nicholas Sparks em público alguém venha me dizer que é uma leitura "água com açúcar" e, apesar de concordar em parte, normalmente defendo o autor mas dessa vez eu tive que ceder: não há um grande ápice na história e a paixão que surge entre o casal principal nasce de maneira inexplicada (pelo menos da parte dele, uma vez que ela viaja até ele por conta de suas cartas extremamente românticas) deixando o leitor completamente desconfiado da verossimilhança da trama. 

Outro ponto interessante a se comentar é o final do livro com o qual não é possível se conformar, mas  me questionei então: como fazê-lo sem dar spoiler?
Bom, tudo o que posso dizer é que talvez vocês, assim como eu, não consigam superar esse trauma para ler outro livro do autor, mas é bem possível também que você termine com os olhos cheios d'água e, ansiando um final mais justo, loucos pra escrever a sua própria carta de amor.

Classificação:


10 Comentários

  1. Tenho um grande problema com o autor, as histórias parece ser sempre as mesmas com personagens diferentes. Estou lendo A Última Música e até agora estou gostando. Esse está na minha lista, quem sabe um dia.
    Post it & Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Evelyn!
      Confesso que sou suspeita pra falar pois sou uma grande fã das histórias de Nicholas mas A Última Música é um dos que mais gosto, a história é linda demais e talvez a que mais destoa dos padrões das histórias dele, então acho que fez a escolha certa, ahahaha.

      Um beijo!

      Excluir
  2. Confesso que o tio Nicholas não é lá o meu autor favorito, mas os livros que eu li dele não me desagradaram, vi Uma Carta de Amor esse dias e quase levei para casa, com todos os aspectos que você apontou eu provavelmente odiaria e correria o risco de não ler mais nada dele. Achei interessante você entrar em ressacas literárias com bons livros, geralmente eu entro com os que me decepcionaram muito, quase aconteceu com Fallen :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico de ressaca literária quando são muito bons ou muito ruins... enquanto uns trazem a sensação de falta quando terminam os segundos provocam um certo arrependimento eu acho.
      Com certeza não é a melhor obra dele (longe disso, aliás) mas ele tem muitos livros legais: Querido John, O Milagre e Um Porto Seguro são meus preferidos :)
      Fica a dica!
      Que pena não gostou assim de Fallen :/

      Um beijo!

      Excluir
  3. Olá!
    Confesso que não curto muito Nicholas Sparks, mas sua resenha está ótima!
    Beijos

    http://livrosentretenimento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Livros & Entretenimento!
      Com certeza é questão de gosto mesmo, obrigada.

      Um beijo!

      Excluir
  4. Eu sou meio suspeita para falar, pois detesto o NS, embora não tenha lido nada dele....até tenho que ler, né, para reclamar com conhecimento de causa...mas para mim ele é tipo John Green, não escreve nada com nada, mas tem carisma e um bom marketing, daí vende bem kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata.
      Também sou suspeita pra falar, mas em outro extremo, ahahahah.
      Dê uma chance ao autor :D
      Se me permite a indicação leia O Milagre, A Última Música ou Diário de uma Paixão... são histórias lindas e tenho - quase - certeza de que vai gostar.
      Também sou bem desconfiada para o lado do John Green mas não consigo nutrir desprezo por um escritor que cativou e trouxe tantos jovens para o mundo da leitura. Para não criticar sem conhecimento de causa li dois livros dele e o A Culpa é das Estrelas até que eu gostei,mas não achei a mínima graça - ou lógica - n'O Teorema Katherine.

      Um beijo!

      Excluir
  5. Aiiiiiiiiiiiii... Que resenha mais linda.
    Amo Nicholas, mas confesso que meu receio em ler os livros dele é gigante. Sempre sofro. kkkkkkk

    Tenho este livro, mas até o momento não consegui pegar para ler. Mas sua resenha me deixou animada.

    Beijooos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro é bem arrastadinho mas é legal. Que bom que te animei :D

      Um beijo!

      Excluir

Ao final do comentário deixe o seu link, se tiver, teremos o maior prazer em retribuir a visita e o carinho ❤
Se você nao tem uma conta no Google, pode comentar usando "Nome/URL".
P.S. Comentários genéricos não serão retribuídos.