Olá, pessoas. Tudo bom com vocês?

Essa semana, apesar da correria, consegui terminar um dos livros que estava lendo durante esse mês de Julho - já quase em Agosto mas tá valendo -. E o livro da resenha de hoje é O Pintor de Memórias, da autora Gwendolyn Womack. O livro foi cedido em parceria com o Catálogo Literário - Grupo Editorial Record e representa o item 5 do nosso Desafio Literário: Um livro lançado esse ano.

Um amor que atravessa o tempo. Uma equipe de cientistas prestes a fazer uma grande descoberta sobre a construção da memória. E um medicamento milagroso capaz de revelar um mistério antigo. Bryan Pierce é um renomado pintor cujos trabalhos deslumbram o mundo. Mas há um segredo para seu sucesso: cada tela é inspirada em um sonho excepcionalmente vívido. Sempre que acorda, ele adquire novas e extraordinárias habilidades, como a capacidade de falar línguas obscuras ou um gênio inexplicável para o xadrez. A vida inteira Bryan se perguntou se seus sonhos eram apenas isso ou se seriam memórias, se ele estaria experimentando a vida de outras pessoas. Linz Jacobs é uma neurogeneticista brilhante, dedicada a decifrar os genes que ajudam o cérebro a criar memórias. Ao visitar uma exposição na galeria de uns amigos, ela se depara com a imagem de um pesadelo recorrente de sua infância e adolescência... em um dos quadros de Bryan. Linz localiza o artista, e o encontro dos dois desencadeia o sonho mais intenso do pintor: a visão de uma equipe de cientistas que, na iminência de descobrir uma cura para o Alzheimer, morre em uma explosão no laboratório. Bryan fica obcecado pelas circunstâncias estranhas que cercam a morte dos cientistas, e seus sonhos aos poucos revelam o que aconteceu no laboratório, assim como um mistério mais profundo que o leva ao Egito antigo. Juntos, Bryan e Linz começam a perceber um padrão em seus sonhos. E que há um inimigo mortal observando cada movimento deles que não vai parar enquanto não atingir seu objetivo.


Talvez, para mostrar um pouquinho de como esse livro é, eu deva dizer primeiro que eu recomecei o primeiro parágrafo umas 20 vezes ~exagero~ e ainda não sei se entendi, mas vamos lá.

O livro conta a história de Bryan, um pintor famoso que retrata quadros de diferentes épocas e locais, que não têm, aparentemente, nada em comum e Linz, uma neurocientista solitária que adora nerdices e arte, em todas as suas representações. Um dia o mundo dos dois se esbarra em um encontro que acontece durante a visita de ambos a um museu e a energia que um capta no outro faz com que sintam-se compelidos a "se buscarem" mutuamente.

Acontece que Bryan não é um cara comum e seus quadros são pintados, com base em sonhos que tem, enquanto está numa espécie de transe - a la Chico Xavier dos quadros -  e ele tem plena convicção de que esses sonhos são, na verdade, memórias de vidas passadas. A Linz se envolve na equação quando, visitando a exposição da galeria dos amigos Penelope e Derek, ela descobre uma pintura que é exatamente igual ao sonho que teve, repetidas vezes, durante sua infância e parte da adolescência. Ao buscar saber mais sobre o pintor ela descobre que este é, na verdade, o mesmo rapaz com quem se encontrou no museu e com quem jogou xadrez no parque, no mesmo dia, na saída da exposição.

"Linz foi arrebatada pela música de tal maneia que se esqueceu da presença do pintor até quase a hora do intervalo. Quando enfim olhou para Bryan, viu que seus olhos estavam marejados. Foi nesse momento que ele conquistou seu coração."


A partir daí a narrativa se desenvolve, o mistério que cerca o fato de o pintor ter retratado a cena exatamente como no sonho de Linz a inquieta e esta ter reconhecido uma de suas memórias deixa Bryan esperançoso com relação aos seus sonhos. A história dos dois então passa a ser contada, paralelamente, a outras histórias de diferentes épocas e os fatos descritos vão sendo, naturalmente, relacionados pelo leitor. O livro é, supostamente, um thriller mas eu não vi muitas características do gênero neste; é certo que ele tem um bom desenvolvimento e a mudança nas histórias, envolvendo diferentes personagens, dá ao mesmo uma grande dinamicidade mas não senti muito do suspense prometido pela classificação.

A primeira crítica que tenho com relação ao livro é ao elemento romântico da história, ele promete um amor tão forte que ultrapassa as barreiras da vida mas o Bryan e a Linz não possuem essa "química" toda. O sentimento fica todo engessado e nesses momentos românticos a cena acaba sendo superficial e breve mas precisa, aparentemente, dar conta do tal "amor-além-da-vida". Imagino que parte da culpa disso seja pelo livro ser classificado como thriller e não como romance mas a capa, a contracapa e a própria autora - pela forma como descreve o sentimento - prometem uma coisa e não entregam nos atos dos personagens. O romance amorzinho, na minha opinião, ficou por conta de alguns personagens ~secundários?~ do passado como Alexandr e Natália (de quem eu queria ler mais) e Hermese e Tot.

"- Eu devia ter nascido homem para fazê-lo pagar pelo que fez!
Alexandr fechou os olhos, sem conseguir conter um sorrido, imaginando sua Natália em busca de vingança. Como sentiria falta de sua companhia! Conhecera um número incontável de mulheres, mas não havia se interessado particularmente por nenhuma até encontrar Natália. Amava sua beleza, seu charme, seu jeito de menina - a forma como, apesar de serem diametralmente opostos, ainda assim se entendiam às mil maravilhas. Ninguém era capaz de deixá-lo mais furioso ou mais sereno que Natália."


Quando li a sinopse também me interessei imediatamente por ele envolver a questão da memória mas, com exceção dessa questão das lembranças de Bryan e Linz, os aspectos da tal pesquisa não aparecem muito. Outra ressalva é com relação à quantidade de histórias entrelaçadas, a autora consegue amarrar muito bem a trama mas a sensação que dá é que tem muita história sobrando e, no fim, o que você pensa ser a causa não é bem a causa do fenômeno e você fica meio "han?".

Os pontos positivíssimos da história são o final mega surpreendente que resgatou muito o ânimo da leitura nas páginas finais e a quantidade de aspectos culturais diferentes trazidos. A obra é um mergulho e tanto, apresentando elementos do Egito, Japão, China, Roma e etc.
A diagramação também é ótima, ele tem uma construção confortável e uma capa que, apesar de simples, eu gostei bastante. Encontrei alguns erros simples de revisão que não interferem na leitura da história e de maneira geral achei a leitura muito boa. Recomendo, principalmente, a quem gosta de livros que cruzem várias histórias e quem tragam elementos de diferentes culturas, nesses casos, em especial, a pessoa aproveitará ainda mais a obra.

Classificação:

Adicione à sua estante: Skoob

Acompanhe o Grupo Editorial Record nas redes: 



17 Comentários

  1. Oi, Dri!
    Morri com a comparação com Chico Xavier hahahaha
    Dessa vez eu passo a dica...
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Apesar das suas críticas eu me interessei demais pela obra. Essa coisa meio espiritual com sonhos e quadros e tal me chamam muito a atenção.
    Eu não conheço a autora, é nova? Talvez isso contribua para algumas falhar. Vou procurar saber mais da obra.

    >> Vida Complicada <<

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Camila!
      A autora é nova sim, O Pintor de Memórias é o livro de estreia da autora.
      Realmente, apesar de tudo a trama é muito bem construída. Isso de entrelaçar histórias é complicado.
      Veja sim, acho que você vai gostar :)

      Um beijo!

      Excluir
  3. Oi, confesso que achei a sinopse bem confusa e a premissa bugou a minha mente,kkkkkk.
    Lendo sua resenha, que está bem escrita, eu não consegui me interessar pela historia, o enredo não me prendeu nem cativou, por isso, vou deixar passar a dica.
    bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thatyane. Que bom que conseguiu ao menos entender, AHAHAHAHHAHA
      Fica pra próxima! :)

      Excluir
  4. Hey, tudo bem?
    Eu adorei a sinopse do livro e a resenha, mas não sei se vou me arriscar a ler, tenho medo de me arrepender... Vou anotar o nome do livro mas vou dar uma pesquisada antes e dar uma lida em outras resenhas antes de decidir.

    Beijos. | Literatura News

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giovanna. Tudo ótimo por aqui, e com você?
      Eu te aconselharia a ler, é uma história bem escrita, que se desenvolve bem e nos surpreende muito em algumas passagens, a maior crítica com relação a ele é mesmo esse "romance" que não tem química mas se você não estiver buscando isso no livro ele funciona muito bem.
      É uma leitura bem fluida e prazerosa, dê uma olhada em outras resenhas sim.
      Se decidir ler volta aqui pra comentar o que achou, queria muito conversar sobre ele, AHAHAHAH.

      Um beijo!

      Excluir
  5. Como você, também não sei se entendi... Rs... Mas achei estranho ser classificado como thriller e não ter as características do gênero, e esse casal principal sem a química que deveria ia se decepcionar... Essa coisa de também parecer que tem histórias sobrando não ia me agradar, não acho que eu vá ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju. É um pouco confuso pra explicar mas ele é bom!
      Realmente ele parece mais ficção científica e o casal principal é como se já tivesse o amor pré-construído mas nós, leitores, não presenciamos essas demonstrações.

      As histórias cruzadas foi um ponto que gostei mas achei que foram muitas e acabou ficando um pouco confuso.

      Excluir
  6. Sinceramente eu adoro essas histórias meio confusas, mas que surpreendem o leitor. No entanto, no momento estou para leituras mais leves e fáceis, sabe? Porém não descarto o interesse em ler a obra, pois realmente gostei da premissa, e sua resenha conseguiu me ambientar melhor no que o livro propõe.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dessa. Tudo bem?
      Se você gosta de histórias entrelaçadas e que trazem aspectos de culturas diferentes você vai amar! Ela é um pouco confusa mas é boa, sabe?
      Sei como é, mas lê ele sim, acho que você vai gostar!

      Um beijo!

      Excluir
  7. Helloo, Adriana! Tudo numa nice?! *-*
    Eu acho que já devia ter visto a capa desse livro por aí, mas não tenho certeza. om certeza, se só tivesse visto a cover não ia nem pensar em ler porque ainda tenho esse problema de olhar a capa primeiro, depois a diagramação - essa categoria nem precisa ser relevante se o item posterior foi excitante - e depois a sinopse ahahah.
    Mas enfim, confesso que eu não me interessaria pelo motivo simples de ter várias estórias entrelaçadas e um monte de coisa e personagens. Acho super interessante e inteligente o autor que é capaz de fazer algo como isso e entregar um final fechado com todas as pontas amarradas, mas eu sou meio lenta e não consigo acompanhar e no geral me perco. Já li um livro de viagens no tempo e percebi que não me dou bem com estórias paralelas.
    Mas um ponto positivo que eu gostei é a inserção de culturas diferentes no texto. Eu amo a mitologia egípcia e comecei a gostar um pouco da cultura do Japão ao começar escrever Flor de Cerejeira que antes não conhecia. Esse parece ser um livro com prós e contras, mas que no final o desfecho surpreende.
    Ótima resenha.
    Beijin...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alana. Tudo ótimo aqui e com você?
      Também me interesso primeiro pela capa mas nesse livro o que me conquistou mesmo foi a sinopse, também olho por último a sinopse mas essa me cativou tanto que não pude resistir, AHAHAHAH.
      É mesmo uma tarefa bem complicada para um autor e eu me identifico totalmente com você quando diz que se atrapalha com histórias paralelas e tal, mas nesse livro elas são bem divididas, cada história/memória é contado em seu capítulo específico...
      Adorei esse aspecto do livro também, principalmente a cultura oriental abordada em uma memória específica. É ótimo ler sobre outras culturas <3
      Fico feliz que tenha gostado :)

      Um beijo!

      Excluir
  8. Olá! Adoro histórias que envolvam romances e amores de vidas passadas e me interessei muito pelo livro! Que pena a mescla de histórias em excesso, mas se iniciar a leitura já sabendo disso, de repente fica menos desconfortável. Vou procurar saber mais sobre ele. Adorei a dica.
    Beijos.
    Karla Samira
    www.pacoteliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Karla. Tudo bem?
      A grande quantidade de histórias não confunde o leitor nessa obra pois são divididos em capítulos certinhos então acredito que você iria gosta sim. Dá uma pesquisada sobre ele, acho que você vai adorar!

      Um beijo!

      Excluir
  9. Oi Adriana vi esse livro na livraria aqui perto há alguns dias atrás e até cheguei a me interessar mas lendo sua resenha tenho a impressão que não é o tipo de livro que estou em um momento para ler. Então eu passo

    ResponderExcluir

Ao final do comentário deixe o seu link, se tiver, teremos o maior prazer em retribuir a visita e o carinho ❤
Se você nao tem uma conta no Google, pode comentar usando "Nome/URL".
P.S. Comentários genéricos não serão retribuídos.